Nos cassinos, as fichas de pôquer possuem três opções de cores: podem ser brancas, vermelhas e azuis. Estas últimas têm mais valor, portanto, são as mais cobiçadas. 

A história conta que, na década de 1920, Oliver Gingold cunhou o termo “ações blue chips”, em referências às fichas azuis no pôquer. Na ocasião, Gingold escreveu um artigo no Wall Street Journal falando sobre ações de empresas negociadas a um alto valor, chamando-as de blue chips. 

O termo pegou e hoje, quem começa a aprender sobre a bolsa de valores inevitavelmente se depara com as ações de empresas blue chips, papéis que atraem os olhares – e as apostas – de muitos investidores. 

Continue a leitura e saiba mais sobre o que são e quais são as principais ações blue chips do mercado brasileiro. 

O que são ações de empresas blue chips? 

Na bolsa de valores, as ações de empresas blue chips são aquelas que os investidores identificam como confiáveis e lucrativas. Referem-se, de modo geral, às companhias que não apenas se destacam quando a situação econômica está favorável, mas que possuem mais chances de sobreviver às flutuações do mercado. 

Além disso, uma empresa considerada blue chip na bolsa brasileira B3 é conhecida, no mercado, pela qualidade e ampla aceitação de seus produtos pelos seus consumidores/clientes. Possui também uma boa relação com acionistas, um alto valor de mercado e uma boa geração de caixa e lucro. 

Do ponto de vista de quem investe, as blue chips tendem a ser menos arriscadas do que empresas de menor porte. Por se tratar de uma aposta relativamente mais segura, as ações blue chips são objetos de desejo da maioria dos investidores, especialmente porque costumam ter uma boa distribuição de lucros. 

Outro fator importante com relação às ações de empresas blue chips é que seus papéis possuem alta liquidez – isto é, alta capacidade de o ativo ser transformado em dinheiro – e grande volume de negociação. 

Blue chips na bolsa brasileira No Brasil, algumas das ações blue chips negociadas na bolsa de valores são: 

• Petrobras; 

• Vale; 

• Ambev; 

• Bradesco; 

• Itaú Unibanco; 

• Entre outras. 

Vale destacar também que estas empresas possuem um grande peso no principal índice da bolsa brasileira – o índice Ibovespa. Quando estas ações caem, por exemplo, é comum que o Ibovespa recue. 

Características das ações blue chips 

As ações blue chips são também conhecidas como ações de primeira linha. Para você entender bem, tenha em mente que elas são vistas como investimentos menos voláteis – e, por isso, são bastante procuradas por aqueles que desejam investir em boas empresas visando o longo prazo. 

Como comentado no item anterior, estes papéis são altamente líquidos, pois são frequentemente negociados no mercado por investidores individuais e institucionais. 

Isso significa que um investidor que precisa de dinheiro, ao criar uma ordem de venda para suas ações blue chips, saberá que sempre haverá um comprador do outro lado da transação. 

Outras características de empresas blue chips incluem o fato de, na maioria das vezes, possuírem: 

• Pouca ou nenhuma dívida; 

• Grande capitalização de mercado; 

• Relação estável entre dívida e patrimônio; e 

• Alto retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) e retorno sobre ativos (ROA). 

Sobre a distribuição de dividendos, é importante deixar claro que o pagamento do lucro aos acionistas não é algo obrigatório a ser cumprido por empresas com ações blue chips. No entanto, a maioria possui histórico de pagamento de bons proventos. 

Além disso, o crescimento destas empresas também costuma refletir, ao longo do tempo, no preço destas ações. Por isso, é comum que investidores com blue chips em suas carteiras identifiquem, em um prazo mais longo de tempo, um crescimento no valor de cada um destes papéis. 

Então, investir em empresas blue chips é sinônimo de sucesso? 

Após ler as informações que trouxemos até aqui sobre as blue chips, deve estar pensando que ter uma carteira de investimentos composta somente por ações deste tipo será garantia de boa rentabilidade. Em partes, isso faz todo o sentido, mas é preciso atenção. 

Como você já sabe, na bolsa de valores as blue chips são empresas que tendem a ser menos impactadas pelas adversidades econômicas. Mas, quando falamos em ações, estamos nos referindo a um investimento de renda variável. 

E, considerando que, ao realizarmos aportes em produtos de renda variável estamos abrindo mão da segurança por preferirmos tentar uma maior rentabilidade, não é possível afirmar, com certeza, que uma carteira blue chip lhe garantirá boa rentabilidade. 

Lembre-se sempre que o mercado de ações é volátil e não existe nenhum papel que seja negociado na bolsa com a garantia de retorno – seja no curto, médio ou longo prazo. 

Relembrando 2008 Na recessão global de 2008, por exemplo, a General Motors e vários bancos europeus considerados como blue chips passaram por grandes dificuldades. No Brasil, um caso bem conhecido ocorreu em 1997, com a Telebras. 

Na época, a empresa era detentora do mercado brasileiro de telecomunicações e respondia por uma ampla participação na composição do índice Ibovespa. Com a privatização do setor, a Telebras transformou-se em 13 novas empresas que originaram novas “concorrentes” na bolsa. 

Sendo assim, embora seja uma boa ideia ter ações de blue chips como ativos em um portfólio de investimento, nem sempre valerá a pena manter uma carteira composta apenas por ações de empresas de primeira linha. Recomenda-se, normalmente, que o investidor explore também outras opções, como as mid caps e as small caps. 

O que são mid caps e small caps? 

Não são apenas as empresas grandes e já bem estabelecidas que compõem o mercado de ações. Existem as chamadas small caps e mid caps. 

Ao contrário das blue chips, as ações small caps são ligadas às companhias de pequeno porte. São chamadas também de ações de segunda ou terceira linha e possuem menor valor de capitalização. 

Outra característica das small caps é a baixa liquidez. Contudo, apesar de serem menos procuradas que as blue chips, as small caps podem oferecer boas oportunidades, especialmente por serem, muitas vezes, mais baratas e terem boas chances de valorização expressiva. 

Para acompanhar o desempenho das small caps no mercado nacional, basta conferir o Índice Small Cap (SMLL). 

Já as mid caps se referem às empresas de médio porte com boa margem de crescimento. São ações que podem representar boa rentabilidade, mas que não possuem uma liquidez tão alta como as blue chips. 

Conclusão: em qual investir? 

Mesmo que você opte por blue chips, todo investimento em ações é de alto risco. A melhor estratégia para compor uma carteira de investimentos começa no alinhamento dos objetivos com o perfil do investidor. 

Falando especificamente sobre ações, muitos investidores diversificam a carteira com ações blue chips, small caps e mid caps, mas sempre focando em empresas com gestão idônea e que tenham bons fundamentos. O ideal é criar uma estratégia que proporcione diversificação na medida certa. 

Por isso, agora que você entendeu sobre blue chips e conheceu um pouco mais sobre o mercado de ações, veja os principais tipos de investimentos que podem compor sua carteira. 

A pontuação dos nossos leitores
[Total: 8 Média: 5]