Em tempos de taxa Selic em queda, é comum que investidores busquem outras alternativas além da renda fixa. Por esse motivo, cada vez mais aumenta o número de pessoas procurando por oportunidades de maior rendimento – apesar dos maiores riscos – na hora de investir.

Neste cenário, a bolsa de valores acaba sendo um dos principais destinos dos investidores. Mas, por se tratar de um investimento em renda variável, antes de pensar em comprar ações ou fazer aportes em outros ativos dentro da bolsa é importante conhecer bem como ela funciona.

Se você tem dúvidas sobre o assunto e quer começar a fazer aportes no mercado de ações, confira a seguir o guia completo sobre como investir na bolsa para ajudar investidores iniciantes a realizar seus primeiros investimentos neste mercado.

Acompanhe! 

O que é Bolsa de Valores?

A bolsa de valores é um ambiente online que permite a negociação de ações e de outros ativos de renda variável. Dentre seus principais objetivos destacam-se: registrar as operações, manter um local adequado para realização dos negócios, promover a liquidação das operações e o cumprimento da lei. 

A B3 (em referência às iniciais para Brasil, Bolsa e Balcão) é a bolsa brasileira. As operações dentro da B3 são feitas eletronicamente – isto é, não existe mais aquela imagem de pessoas gritando em pregão, o que dá mais transparência ao mercado e facilita o acesso dos investidores.

Contudo, apesar de as negociações acontecerem de forma online, isso não significa que ocorrem 24 horas por dia. O investidor deve ficar atento aos períodos em que a bolsa está aberta para que possa realizar suas operações (você pode conferir os horário no site da B3).

Das operações que podem ser realizadas na bolsa, certamente a compra e venda de ações é a mais conhecida.

O que são ações?

Para este guia de como investir na bolsa, é importante entender que, de uma maneira bem simples, uma ação é um pequeno pedaço de uma empresa (sociedade anônima).

Portanto, ao comprar ações o investidor adquire uma pequena parcela desta companhia. Ou seja, o acionista passa a ser proprietário da empresa de acordo com a fração de ações que possui. 

Como “dono” de um pedaço da companhia o investidor usufrui da rentabilidade que ela conseguir entregar caso tenha lucro. 

Se ela tiver prejuízo, por outro lado, o acionista não recebe valor algum – podendo, inclusive, perder parte ou até a quantia total que investiu devido às eventuais quedas nos preços das ações que possui.

Vale destacar que, apesar de as ações serem os ativos mais conhecidos dentro da bolsa, é possível investir e especular no mercado de outras formas, como por meio do mercado futuro e contratos futuros, em ETFs (fundos de índice), fundos imobiliários, e outros. 

Neste guia, entretanto, o foco são as ações. Por isso, iremos nos ater a elas.

Tipos de ações disponíveis na bolsa

No mercado de ações, existem alguns principais tipos de ações. São eles:

Ações ordinárias (ON) e Ações preferenciais (PN)

As ações ordinárias garantem aos investidores o direito a voto nas assembleias deliberativas. Elas também permitem aos acionistas participarem nas decisões da companhia, mas sem o poder de veto. 

Já as ações preferenciais dão uma preferência para o investidor na hora de receber rendimentos. Elas não dão direito a voto, mas garantem ao acionista a prioridade no recebimento da distribuição dos dividendos.

Para saber mais sobre esses dois tipos de ações, confira o artigo O que são ações ordinárias (ON) e preferenciais (PN) e qual é a diferença?

Units

As units são certificados de depósito de ações, que seria como um pacote formado por um conjunto de ações (ordinárias e preferenciais). Ou seja, elas são negociadas conjuntamente, em formato de “pacote”.

As units são comumente identificadas pelo um número 11 nas terminações dos códigos das ações. Por exemplo, SANB11 (Santander).

Blue chips, small caps e mid caps

As ações blue chips são também conhecidas como ações de primeira linha. Referem-se às ações de empresas grandes e já consolidadas no mercado (como Vale, Ambev, Petrobras, entre outras).

Elas são objetos de desejo de uma grande parte de investidores. Neste guia de como investir na bolsa não detalharemos sobre elas, mas é possível encontrar mais informações no post Blue chips: o que são e quais são as principais ações?

O oposto das blue chips são as small caps. Enquanto as primeiras têm muitas negociações diárias na B3 e alta liquidez, as small caps geram um volume de negociação muito menor e possuem, normalmente, baixa liquidez.

São conhecidas também por ações de terceira linha e referem-se normalmente a empresas que têm um valor de capitalização abaixo de US$ 3 bilhões. Uma questão importante sobre as small caps é que elas podem ter um grande potencial de valorização para o futuro, o que resulta na possibilidade de serem uma boa oportunidade para acionistas.

Entre as blue chips e as small caps temos as mid caps, ou ações de segunda linha. Elas dizem respeito às empresas de médio porte com boa margem de crescimento. São ações que podem representar boa rentabilidade, mas que cuja liquidez não costuma ser tão alta como aquela oferecida pelas blue chips. 

Passo a passo para investir em ações

Até aqui você entendeu os principais pontos sobre as ações, incluindo seus tipos. Para este guia sobre como investir na bolsa ser completo, no entanto, é importante compreender como proceder para fazer seus primeiros investimentos em ações

O primeiro passo para realizar qualquer investimento é elaborar um planejamento financeiro, com objetivos definidos. O investidor pode, por exemplo, escolher criar uma carteira para longo prazo, como também é possível fazer operações com ações visando lucro no curto prazo, por meio de especulação.

Conhecer o seu perfil de investidor e como é sua tolerância a riscos é igualmente fundamental, já que o mercado de ações é muito volátil. Dependendo do perfil – e a forma como a pessoa lida com os riscos, sem o devido conhecimento, o investimento poderá ser fonte de estresse – e até de perda de capital.

Por isso, tenha sempre em mente qual é seu objetivo com o investimento – ou especulação – em ações e saiba qual é sua tolerância a riscos. Assim ficará muito mais fácil tomar melhores decisões de investimento no mercado de renda variável.

Fazendo os primeiros aportes

Na hora de, efetivamente, investir em ações, o processo é bastante simples. O investidor deve abrir uma conta em uma corretora e transferir dinheiro para ela.

Em seguida, deve escolher as ações para investir e realizar as operações no home broker. 

Caso precise de ajuda para decidir as melhores ações para investir, vale a pena contar com uma assessoria de investimentos especializada nesta caminhada. 

Esperamos que este guia de como investir na bolsa de valores tenha sido útil a você. Se sim, fique à vontade para compartilhá-lo nas suas redes sociais e ajudar outras pessoas a investir em ações!

A pontuação dos nossos leitores
[Total: 13 Média: 5]