Muitas pessoas ainda não sabem, mas comprar ou construir imóveis físicos não é a única maneira de investir no mercado imobiliário. Também é possível lucrar com imóveis — um dos investimentos preferidos entre os brasileiros — por meio dos chamados fundos imobiliários.

Eles apresentam vantagens muito atrativas em relação à aquisição de um imóvel – como, por exemplo, o menor custo e a maior liquidez. 

Apesar disso, é importante aprender como funcionam esses investimentos antes de decidir se deve incluí-los na sua carteira. E nós podemos lhe ajudar nisso. 

Reunimos neste artigo tudo o que você precisa saber sobre FIIs. Siga a leitura e saiba mais sobre esta modalidade de investimento!

O que são e como funcionam fundos imobiliários?

Os fundos imobiliários são um tipo de fundo de investimento. Ou seja, têm o funcionamento básico de qualquer fundo: os investidores compram cotas e o dinheiro dos cotistas é administrado por uma gestão profissional.

Assim, um fundo de investimentos tem um determinado portfólio composto por diversos ativos (cuja escolha fica a cargo dos gestores). E, como o nome indica, os fundos imobiliários — também conhecidos por FIIs — têm sua carteira composta por ativos do mercado financeiro.

As decisões tomadas pelos gestores de cada fundo são compartilhadas com os investidores por meio de relatórios frequentes. Desse modo, você consegue saber como está o andamento dos investimentos e continuar acompanhando a qualidade da estratégia adotada pela gestão.

Vale destacar que os administradores do FII ficam responsáveis também por toda a parte administrativa e burocrática relacionada aos ativos. Por exemplo, se for preciso adquirir imóveis ou fazer contratos de aluguel, você não precisa se preocupar com isso.

Quais são os tipos de FIIs?

Existem alguns tipos de fundos imobiliários e diversos detalhes dessa modalidade de investimento dependem de cada tipo. É o caso dos riscos, da rentabilidade, do recebimento de proventos, etc. 

Por isso é importante conhecer os FIIs disponíveis no mercado e suas principais características. Conheça os principais a seguir:

Fundos de tijolos

Os fundos de tijolos podem ser considerados os FIIs mais tradicionais, já que investem, de fato, diretamente em imóveis. Ou seja, são aqueles fundos que focam sua estratégia na compra e venda ou no aluguel de imóveis físicos.

Esse tipo pode ser subdividido em fundos de renda, que são aqueles mais voltados ao rendimento de aluguel, fundos de compra e venda e, ainda, fundos de desenvolvimento — esses realizam a construção e venda de imóveis.

Fundos de recebíveis imobiliários

Diferente dos fundos de tijolos, esse tipo não investe diretamente em imóveis físicos, e sim em títulos do setor imobiliário. Em geral, fundos de recebíveis apresentam riscos mais controlados e rentabilidade limitada.

Isso porque os investimentos são feitos em títulos da renda fixa. Nesse caso, eles podem compor seu portfólio com Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Letra Hipotecárias (LH) e Letras de Crédito Imobiliário (LCI), por exemplo.

Fundos de fundos

Por fim, existe um tipo de FII cuja principal estratégia da gestão é comprar cotas de outros fundos imobiliários. Essa é uma maneira de acompanhar a rentabilidade de vários fundos investindo apenas em um — que pode seguir estratégias variadas, como comprar cotas de fundos de tijolos, outras de recebíveis imobiliários, etc.

Para quem os FIIs são indicados?

Os fundos imobiliários são modalidades de investimento da renda variável – o que gera riscos maiores. Isso porque não é possível prever uma estabilidade em relação aos rendimentos, já que eles estão expostos às variações do mercado.

É importante falar sobre o fator risco ao discutir para quem os FIIs são indicados porque um dos principais pontos a serem considerados é o perfil de investidor. Em geral, a renda variável não é muito apropriada para pessoas de perfil conservador.

Entretanto, os fundos imobiliários são considerados ativos de menor risco quando comparados com outros da renda variável — como ações. Por isso, pessoas de todos os perfis podem se interessar por eles – compondo nem que seja uma pequena parcela da carteira com FIIs.

Quer saber se os FIIs são opções certas para você? Confira a seguir alguns aspectos que podem lhe ajudar a identificar se esta modalidade de investimento faz sentido na sua carteira.

Desejo de investir em imóveis

Muitos brasileiros veem vantagens em investir no mercado imobiliário. Afinal, quem nunca escutou alguém – especialmente os mais velhos – falando sobre os benefícios de comprar casas e colocar para aluguel?

O problema é que investir diretamente em imóveis físicos envolve um alto custo e muita burocracia. Por isso, o FIIs pode ser bastante interessante para pessoas que desejam lucrar com o mercado imobiliário sem mobilizar uma grande quantia de dinheiro para isso.

Objetivo de diversificar a carteira

Outro grupo de investidores para os quais os fundos imobiliários podem ser indicados é aquele que pretende diversificar seus investimentos. A aquisição de ativos de diferentes fontes é uma ótima estratégia para diminuir os riscos e equilibrar a rentabilidade da carteira.

Nesse aspecto, os FIIs são privilegiados, pois um único fundo pode apresentar um portfólio com diversos ativos. Assim, quem adquire cotas de um investimento desse tipo está diversificando muito sua carteira.

Busca por renda passiva

Agora que você entende como funcionam fundos imobiliários, já viu que é possível utilizá-los para ter uma renda passiva. Isso acontece principalmente com os fundos de tijolos, que focam em investir em imóveis para locação.

Esses fundos têm sempre uma renda oriunda dos aluguéis — e a maior parte do lucro obtido com eles deve ser distribuída entre os investidores, de acordo com o número de cotas que cada um tenha. Assim, os FIIs podem ser indicados para quem deseja uma renda passiva.

Quais são os riscos de investir em FII?

Anteriormente, falamos um pouco sobre os riscos dos fundos imobiliários. Entretanto, vale a pena se deter mais a esse tema.

Como você deve saber, todos os ativos financeiros envolvem algum tipo de risco, que varia de acordo com suas características.

No caso de FIIs, um risco relevante está na exposição a crises do mercado imobiliário. Se houver problemas nesse setor, sua carteira poderá ser afetada — afinal, a venda ou aluguel de imóveis costuma sofrer queda nesses momentos.

Outro risco significativo é o da liquidez. As cotas de fundos imobiliários são negociadas na bolsa de valores. Isso significa que o investidor precisa encontrar compradores para as cotas que ele pretende vender. 

Assim, a venda pode ser demorada ou mesmo desvantajosa, caso o preço do ativo esteja menor do que aquele que você pagou – ou menor do que você gostaria de vender.

Conclusão

Neste post, trouxemos as principais informações que você precisa saber sobre como funcionam os fundos imobiliários. E, como você pode perceber, esta modalidade de investimento pode ser bastante interessante para diversos investidores na composição de portfólio – especialmente para aqueles que buscam investimentos para renda passiva.

Por isso, não deixe de considerar estes fundos ao planejar os seus investimentos.  Lembre-se que os riscos podem ser manejados com mais eficiência quando se têm dados relevantes como esses!

Ainda está em dúvida? Uma assessoria de investimentos pode lhe ajudar a encontrar os melhores ativos para sua carteira. Então entre em contato e descubra como um atendimento personalizado pode ser útil para a montagem de um portfólio sólido e alinhado aos seus objetivos!

A pontuação dos nossos leitores
[Total: 4 Média: 5]