Educação Financeira

O que é bonificação de ações e como funciona?

Por
Voltar

Quem investe em ações pode adotar diversas estratégias para alcançar seus objetivos financeiros. Uma delas é o recebimento de proventos — que são formas de conseguir renda passiva e acumular patrimônio a longo prazo. Entre os tipos de proventos está a bonificação — você sabe o que ela é?

A bonificação é uma maneira de aumentar o seu capital sem que seja necessário um novo investimento. Assim, o investidor acumula patrimônio e pode otimizar a construção de uma renda passiva, sem precisar utilizar do seu esforço de trabalho.

Quer saber mais como a bonificação funciona? Neste texto, você aprenderá o que ela é e qual a sua importância para os investidores. Confira!


Começando a investir? Obtenha agora um ebook grátis com 4 dicas de investimentos


O que é a bonificação de ações?

A bonificação de ações é uma forma de distribuição de novos papéis aos acionistas da empresa. Como representa um provento, o investidor recebe os ativos gratuitamente, como pagamento feito pela empresa ao dividir seus lucros.

Assim, quando a companhia quer aumentar o seu capital social, incorporando reservas, ela pode tomar essa decisão. Quando isso ocorre, os acionistas recebem uma atualização da sua participação na companhia, passando a ter mais papéis.

Vale ressaltar que não há aumento de recursos da empresa. O que ocorre é uma movimentação de contas interna, sem que o seu patrimônio líquido se altere. A consequência é um aumento da base acionária dessa companhia.

Como ela funciona?

Esse tipo de provento ocorre por meio de uma operação contábil. Dessa forma, uma parte da reserva de lucros do negócio é incorporada ao capital social. Assim, esse capital aumenta e é dividido entre os acionistas.

É importante entender que, como a bonificação é feita de forma proporcional entre todos os acionistas, não há aumento de participação individual. Assim, você mantém seu percentual do capital, mas tem novos ativos.

Pelas regras de contabilidade, não é possível que a empresa aumente seu capital social sem uma contrapartida. Para fazer isso, é preciso que novas ações sejam emitidas e é nesse momento que surge a bonificação.

Exemplo

Para entender melhor, imagine que uma empresa gerou lucros no período e formou uma reserva. Esse excedente pode ser utilizado de algumas formas. A primeira é financiar projetos de crescimento ou infraestrutura.

Também é possível distribuir uma parcela do lucro entre os acionistas — na forma de proventos, como dividendos e juros sobre capital próprio. Além disso, a empresa pode decidir agregar valor ao seu capital social. Assim, aumenta sua base acionária emitindo mais papéis.

A bonificação é expressa em um percentual. Considere que uma empresa decidiu fazê-la no montante de 30%. Assim, quem possuía 1.000 ações até a data limite receberá 300 papéis da companhia como bonificação.

Por outro lado, uma pessoa com 40 ações deveria receber 13,5 papéis. Como não é possível emitir uma fração de ação, nesse caso ela receberá 13, e o restante é creditado em dinheiro. Esse valor será calculado conforme a cotação do papel no dia.


Quer investir com a ajuda de um especialista? Receba o auxílio gratuito de um assessor de investimentos


Quando a bonificação de ações acontece?

Não há um prazo certo para ocorrer a bonificação. Ela é uma decisão que deve ser deliberada em uma assembleia geral. Dessa forma, os acionistas com os papéis que garantem voto nas deliberações podem ajudar na decisão, conforme o regulamento.

É nessa assembleia que também ficará decidido qual será a reserva ou o lucro retido, revertido em bonificação. Depois de estipulados os detalhes, cada acionista deve receber um comunicado com todas as regras da divisão.

Também será determinada uma data conhecida como ex-bonificação. Ela funciona como um prazo limite para delimitar quem tem direito a receber esse provento. Logo, todos os acionistas que eram donos de papéis até a data ex-bonificação terão direito ao recebimento das ações.

Por que conhecer a bonificação?

A bonificação traz algumas consequências para as ações, as empresas e os investidores. Por isso, é muito importante que você a conheça. Identificar oportunidades e ficar atento quando elas ocorrem podem beneficiar seus investimentos.

A primeira consequência da bonificação é a queda de cotação das ações individuais. À primeira vista isso pode parecer um mau sinal para quem é acionista da empresa, contudo é preciso entender a relação.

Apesar de o preço cair, a quantidade de ações aumenta proporcionalmente. Dessa maneira, o capital investido se mantém inalterado. Para entender melhor essa questão, vamos pensar no exemplo que você viu anteriormente de um investidor com 1.000 ações e 30% de bonificação.

Se as ações estavam cotadas a R$ 20 no dia ex-bonificação, após o provento elas passarão a ter o preço de R$ 15,38. Entretanto, o acionista terá 1.300 papéis. Isso acontece porque a cotação diminui proporcionalmente ao número de ações distribuídas.

Outra questão importante da bonificação é o aumento da liquidez dos papéis. Como os preços de cada ação diminuirão, é normal que mais investidores fiquem interessados na compra. Assim, após o período de bonificação, há um volume maior de negociações.


Aprenda a operar opções com o nosso treinamento Invista em Opções


Quais outras formas de proventos?

Como você viu, há mais formas de distribuição de lucro além da bonificação. Conhecer outras maneiras de receber proventos com ações também é importante para os investidores. Quem deseja ter uma renda passiva, precisa montar uma estratégia que possibilite isso, certo?

Nesse sentido, as principais formas de obter proventos com ações são:

- bonificação;

- juros sobre capital próprio (JCP);

- dividendos;

- direitos de subscrição.

Os mais conhecidos são os dividendos. Eles são de distribuição obrigatória para as empresas que geram lucro. Assim, são valores pagos em dinheiro em períodos determinados, conforme os ganhos que o negócio teve.

Já os juros sobre capital próprio funcionam como os dividendos, sendo pagos em dinheiro. Contudo, eles são realizados antes do lucro líquido. Dessa maneira, enquanto os dividendos são isentos de Imposto de Renda para o investidor, o JCP tem tributação.

Por fim, os direitos de subscrição se referem à possibilidade de comprar mais papéis da companhia. Ele acontece quando a empresa decide aumentar seu capital social e precisa priorizar os acionistas atuais, que podem optar ou não pela compra.

Agora você já conhece o que é bonificação de ações e como ela funciona! Se a sua estratégia de investimentos visa o recebimento de proventos e acúmulo de patrimônio, acompanhar esse tema é fundamental para tomar decisões!

Quer entender melhor como funcionam os dividendos de ações? Então não perca o nosso conteúdo completo sobre o tema!


Curso Trava Estruturada de Renda FIxa