Novos investidores acabam se deparando com diversos termos e siglas que precisam começar a entender para fazer bons investimentos. Esse aprendizado, inclusive, faz com que algumas pessoas considerem difícil iniciar seus investimentos – o que não é verdade.

E um dos conhecimentos indispensáveis para quem deseja aprender a investir melhor é saber o que é e como funciona o CDI. Essas três letras são muito conhecidas, principalmente por quem investe em renda fixa, mas ainda há muita gente que não compreende esse indicador.

Então continue a leitura para saber mais sobre o CDI!

O que é o CDI?

CDI significa Certificado de Depósito Interbancário e, como o nome indica, é uma transação financeira realizada entre os bancos. É muito importante não confundi-lo com o CDB — Certificado de Depósito Bancário, um produto de renda fixa disponível para pessoas físicas e jurídicas.

O CDI, ao contrário, só está acessível para instituições bancárias. Ou seja, não se trata de um produto de investimento, mas sim de uma estratégia utilizada pelos bancos para manter seus caixas equilibrados ao final do dia.

Em resumo, o CDI é um certificado emitido por instituições bancárias com o intuito de possibilitar a transferência de recursos para aqueles bancos que estejam com saldo diário negativo. Esse empréstimo rápido é realizado com uma determinada taxa de juros, e a negociação é realizada internamente entre as instituições.

A seguir você entenderá melhor o funcionamento do CDI e o objetivo deste certificado.

Para que ele serve?

Como você viu, o CDI possibilita operações financeiras entre os bancos. Mas por que isso é necessário? 

A utilidade dessa transação se deve a uma regra do Banco Central do Brasil, que obriga todas as instituições bancárias do país a fechar os caixas com saldo positivo. Ou seja, o banco não pode terminar seu dia com pendências financeiras.

 Entretanto, isso nem sempre é possível, já que em alguns períodos o volume de saques dos clientes pode ser maior do que a quantidade de depósitos realizados — o que deixaria o caixa no vermelho.

Nesses momentos, o banco recorre ao CDI como forma de pedir um empréstimo a outros bancos. Assim, ele garante fechar seu dia sem saldo negativo.  

Vale destacar que o CDI foi criado na década de 1980 no Brasil, como forma de possibilitar essa facilidade aos bancos. Isso permitiu maior fluidez ao mercado financeiro, pois as instituições bancárias podem rapidamente contribuir entre si para cumprir a regra do Banco Central.

Como funciona o CDI?

Em geral, o CDI é uma operação de curtíssimo prazo entre os bancos. Normalmente, no dia útil seguinte o dinheiro é devolvido. Isso é compreensível, já que seu principal objetivo é apenas permitir o fechamento de caixa dos bancos.

Como já citamos, as operações entre as instituições bancárias são realizadas exclusivamente por meio eletrônico em um mercado que só é acessível a elas. E a taxa de juros praticada em transações de CDI pode ser prefixada, quando o valor é conhecido desde o começo, ou pós-fixada, quando acompanha as movimentações da economia.

O cálculo da média das transações realizadas ao longo do dia dá como resultado a taxa CDI. Ela é informada todos os dias pela Cetip (Central de Custódia e Liquidação Financeira de Títulos) — empresa responsável por registrar e liquidar os títulos negociados pelos bancos.

A taxa CDI é muito utilizada como referência para determinados investimentos, como o Certificado de Depósito Bancário, que citamos anteriormente. Logo, embora não se trate de um investimento, o CDI é sim relevante para os investidores. E é por isso que você precisa entendê-lo melhor.

Por que o CDI é importante para investidores?

Neste post você aprendeu que o CDI não é um produto financeiro disponível para quem busca investimentos, mas isso não significa que ele deixa de ter importância. Como falamos, a Cetip divulga diariamente a taxa CDI, fruto das operações realizadas entre os bancos.

E qual é a relevância dela? Bom, quem já analisou algumas opções de investimento, principalmente as aplicações da renda fixa, sabe que essa taxa é utilizada como referência de rentabilidade de muitos produtos. Por exemplo, os CDBs, LCIs e LCAs, e outros.

Por conta disso, é correto dizer que o CDI é um dos parâmetros mais importantes dos investimentos. Afinal, é um índice econômico bastante utilizado para cálculo dos rendimentos — em especial aqueles que são do tipo pós-fixado.

Se você encontrar investimentos oferecendo, por exemplo, 100% do CDI, significa que a rentabilidade do produto acompanha as variações dessa taxa ao longo do tempo. Seus ganhos neste caso, portanto, serão atrelados à taxa CDI do dia — quanto maior ela estiver, mais dinheiro a aplicação renderá.

Percebe como é importante saber o que é e o valor do CDI para conseguir analisar as opções de investimento com mais eficiência? Quem realiza aplicações na renda fixa terá contato frequente com esse índice nos produtos que compõem sua carteira.

O CDI é relevante para a renda variável?

Como você viu anteriormente, o Certificado de Depósito Interbancário apresenta grande relevância quando se fala de investimentos na renda fixa. De fato, quem especula ou investe em produtos da renda variável — como moedas, ações, etc — dificilmente terá o CDI como parte da sua rotina.

Entretanto, é sim relevante que você conheça essa taxa e acompanhe as variações deste índice, mesmo que você não invista em renda fixa. Você entenderá mais sobre essa questão logo adiante.

Além disso, é muito comum que investidores da renda variável comparem suas rentabilidades com o CDI. Essa prática permite avaliar se a sua carteira de investimentos está se mostrando mais vantajosa do que os produtos da renda fixa.

Ganhar mais do que a taxa CDI é uma das maiores metas dos investidores da renda variável. Afinal, a ampliação dos riscos precisa ser compensada por rentabilidades vantajosas em relação às oferecidas por aplicações mais seguras do mercado.

Qual é a relação entre CDI e Selic?

Finalmente, quando falamos do CDI como um dos índices importantes na nossa economia, é interessante citarmos também a taxa Selic – e a relação entre a Selic e o CDI. Ela é a taxa básica de juros brasileira e seu valor é definido pelo Comitê de Política Monetária (Copom), do Banco Central.

E, geralmente, os valores da taxa CDI e da Selic serão muito próximos. A explicação é simples: a Selic é utilizada como parâmetro para a maioria das transações financeiras do país (como empréstimos e financiamentos).

Então, se o CDI fosse diferente dessa taxa, as operações financeiras entre os bancos teriam um desequilíbrio. Por isso, as instituições bancárias costumam realizar os empréstimos entre si com juros muito próximos à Selic. Como consequência, as duas taxas têm praticamente o mesmo valor.

Agora você sabe o que é o CDI e como ele funciona. E, apesar de descobrir que não se pode investir diretamente em um Certificado de Depósito Interbancário, foi possível ver a importância desse indicador para todo o mercado de investimentos, certo?

A partir de agora então, quando você se deparar com esta sigla, saberá exatamente o que ela significa e conseguirá analisar melhor as opções de produtos disponíveis no mercado e tomar melhores decisões de investimento.

Quer acompanhar de perto mais conteúdos sobre esses assuntos? Assine a newsletter do blog e não perca nossas atualizações!

A pontuação dos nossos leitores
[Total: 10 Média: 5]