Já não é de hoje que muitos investidores brasileiros se interessam em investir no exterior. Afinal, as possibilidades podem se ampliar bastante quando você tem contato com outros mercados.

Entretanto, é importante conhecer bem o funcionamento das opções disponíveis para ser capaz de escolher aquelas que se adéquam ao seu perfil. Quem pesquisa sobre investimentos em moedas estrangeiras, por exemplo, já pode ter se perguntado sobre o que é Forex.

O assunto merece bastante atenção e cuidado. Então, acompanhe as informações que reunimos neste post e entenda tudo sobre este mercado!

O que é o Forex?

Mercado Forex ou FX representa o termo Foreign Exchange Market. Trata-se de um mercado cambial regularizado em alguns países do mundo, mas não no Brasil. Por meio dele, investidores realizam operações com diversas moedas.

O Forex pode ser considerado o maior mercado cambial do mundo, pois movimenta muito dinheiro todos os dias — até mais do que as bolsas de valores de alguns países. Ele existe desde 1971 e as transações acontecem todas online.

Diferente de instituições como a bolsa de valores, não há ambiente físico no mercado Forex. De fato, o mercado só existe virtualmente e os investidores podem realizar operações durante quase todo o dia — no horário de Brasília, ele se mantém aberto das 22h de domingo até 22h da sexta-feira.

Como falamos, as operações cambiais são o foco do mercado FX. Elas são realizadas a partir de negociações de compra e venda simultâneas. Os investidores operam com pares de moedas: compram uma, vendem outra e buscam lucro com a diferença de preço.

Como ele funciona?

O Forex é uma plataforma utilizada para especulação cambial. Não é realizada, portanto, a compra efetiva dos ativos, apenas uma transação de troca entre o par escolhido. As operações costumam ser rápidas — finalizadas dentro de minutos, horas ou até poucos dias.

O investidor toma suas decisões a partir do que espera que determinada moeda suba ou caia em relação à outra. Na operação, há uma moeda base — que será utilizada para comprar a outra (chamada de moeda cotada).

Exemplo prático

Um exemplo muito comum para brasileiros é a negociação entre o real e o dólar. Nesse caso, a paridade BRL/USD. Suponha que o real seja a moeda base para adquirir dólares. A cotação do par no mercado FX será a diferença entre os valores de cada uma.

Considerando o dólar a 4,35 reais, a cotação do par é de 0,23. Um especulador que acredite na alta do dólar pode realizar a compra da moeda americana em dado momento e, quando a alta se confirmar, trocar por reais novamente.

Imagine que alguém usou cinco mil reais para comprar dólares com a cotação de 4,35 e desfez a operação quando a moeda subiu para 4,50. Em tal cenário, a pessoa teria comprado aproximadamente 1.149,00 dólares e, ao vender, ficaria com 5.172,00 reais.

Desconsiderando os custos da operação, o lucro teria sido de 172,00 reais na diferença entre as cotações negociadas. Se o cenário fosse de queda do dólar, o fechamento da operação daria prejuízo.

Quais são os riscos do mercado Forex?

Embora movimente muito dinheiro em todo o mundo, o Forex é um mercado bastante arriscado. Especialmente para brasileiros, pois o FX não é regulamentado no nosso país. 

Confira os principais riscos envolvidos no mercado FX:

Ausência de regulamentação no Brasil

Sem dúvida, esse é um grande risco para quem pensa em operar no Forex. Algumas pessoas podem acreditar que realizar negociações nesse mercado é semelhante a negociar ativos na bolsa de valores, mas na verdade não é.

Como não é regulamentado no país, não existem garantias institucionais relacionadas à segurança das transações. E os investidores brasileiros precisam abrir conta em corretoras estrangeiras para acessar o Forex.

A prática gera alguns riscos específicos. Por exemplo, a dificuldade em compreender as regras e informações importantes sobre o investimento. Também há o perigo de ter seus dados expostos por empresas de outros países.

Além disso, o fato de o mercado ser completamente virtual e sem uma instituição que centralize as operações também aumenta muito o perigo de fraudes. Desse modo, fica difícil se proteger contra problemas ou golpes.

Exposição às variações de câmbio

Agora vamos falar de um risco atribuído diretamente às operações com moedas: as variações de câmbio. Como se trata de uma transação de especulação cambial, o investidor fica muito vulnerável às oscilações no valor das moedas.

Você deve saber que o câmbio é um dos indicadores econômicos mais difíceis de analisar ou prever. Desse modo, podemos dizer que investir em ativos cambiais envolve alguns dos riscos mais altos do mercado financeiro.

Além de variar constantemente, as moedas estão diretamente relacionadas às decisões políticas e econômicas, o que intensifica a oscilação. Em 2015, diversas instituições que atuavam no Forex foram à falência depois de uma mudança brusca na economia da Suíça.

Riscos alavancados

O mercado FX permite que especuladores realizem operações alavancadas. Ou seja, negociem com um dinheiro maior do que eles têm em conta. Essa é uma prática utilizada por quem deseja buscar ganhos mais expressivos.

De fato, é possível obter lucros muito maiores ao alavancar o investimento. Entretanto, os riscos também estarão alavancados. Afinal, se houver prejuízo, ele será muito maior do que a quantia que o investidor disponibilizou inicialmente.

Portanto, o risco de alavancagem é mais um perigo encontrado no Forex. 

Como investir em moedas de forma mais segura?

Apesar de oferecer possibilidades atrativas, muitos brasileiros optam por não participar do mercado FX. Abrir mão da segurança que a regulamentação traz é realmente algo complexo. Por isso, vale a pena conhecer outras formas de investir em câmbio sem se expor aos riscos do Forex. 

Existem diversas maneiras de negociar moedas na bolsa de valores do Brasil. Uma delas é adquirindo cotas em fundos cambiais. Outra é operando no mercado futuro, a partir de derivativos atrelados às moedas estrangeiras.

Ao escolher as alternativas, você conta com maior segurança por saber que está em um mercado regulamentado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Ainda existirão riscos, mas eles estarão relacionados às variações de câmbio, e não à insegurança do próprio mercado.

Agora você já sabe o que é o Forex e como ele funciona. Depois de conhecer os detalhes e ficar sabendo de outras opções para lucrar com as variações cambiais, não deixe de utilizar as informações que demos. 

Dessa forma, fica mais fácil tomar decisões eficientes na sua carteira de investimentos. Quer entender mais sobre os investimentos disponíveis no mercado futuro? Veja o que são contratos futuros e minicontratos!

A pontuação dos nossos leitores
[Total: 14 Média: 4.9]