Se você já alugou um imóvel ou conhece o processo de aluguel sabe como funciona o depósito caução. Geralmente, em contratos sem fiador, o proprietário delimita certa quantia de dinheiro para ficar como garantia de que o inquilino cumprirá o combinado no contrato.

Mas, você sabia que algo parecido também existe no mercado financeiro? Em algumas operações da renda variável, é preciso apresentar uma margem de garantia para mostrar que você tem condições de cumprir com suas responsabilidades enquanto investidor ou especulador.

Neste post, vamos explicar o que é a margem de garantia e para quais situações ela se aplica na bolsa de valores. Confira!

O que é a margem de garantia? 

A margem de garantia é uma quantia de dinheiro, ações ou algumas aplicações de renda fixa que podem ser usadas como garantia por especuladores na bolsa de valores. Ela costuma se fazer necessária, especialmente, em negociações envolvendo a alavancagem.

Na bolsa de valores e no mercado futuro existe a possibilidade de operar sem disponibilizar todo o dinheiro dos ativos ou contratos. Nesses casos, há a exigência de uma margem para manter a operação aberta.

Assim, ela é utilizada, normalmente, quando você deseja negociar com um valor maior de dinheiro, sem ter todo o capital no momento. O valor exigido como margem de garantia depende de cada realidade — especialmente de acordo com três fatores:

  • O ativo ou derivativo;
  • As regras de cada corretora de valores ou banco de investimentos;
  • O prazo das operações (por exemplo, day trade).

Para que ela serve?

Como falamos, a margem de garantia é uma necessidade em algumas operações específicas na bolsa, como as que envolvem alavancagem de recursos. Logo, sua principal função é possibilitar ampliação das possibilidades do trader.

Operar alavancado pode trazer vantagens interessantes, considerando que as oportunidades de lucro aumentam bastante. Entretanto, também estão presentes riscos maiores, já que o capital usado na especulação é mais alto.

Diante disso, as instituições financeiras e a bolsa precisam de garantias de que, em caso de prejuízos substanciais, você terá como arcar com as perdas. Então, a margem em dinheiro ou ativos fica disponível para ser liquidada pela corretora caso seja necessário.

Ao praticar a alavancagem, o especulador precisa saber qual é a porcentagem exigida pela corretora nas operações que ele deseja realizar. Vamos supor que, para ações, haja exigência de 10% de margem de garantia.

Então, mantendo R$ 5 mil reais em caixa ou oferecendo esse valor em aplicações ou ativos em seu nome, é possível negociar até R$ 50 mil reais na bolsa. A estratégia é utilizada para buscar lucros maiores – já que um leve aumento no preço dos ativos faria você ganhar bem mais em relação ao que aportou.

Ao mesmo tempo, quem opera alavancado deve saber que não está negociando apenas com o dinheiro da margem, e sim com todo o valor da operação. Isso significa que é possível ter prejuízos além dos R$ 5 mil do nosso exemplo.

Como funciona a margem de garantia?

A margem de garantia é organizada por cada corretora de valores. Cada uma tem suas próprias regras e coordena as exigências com os seus clientes. Assim, é responsabilidade dela reter o dinheiro durante a operação alavancada.

O mais comum é utilizar ativos da renda fixa como garantias. Eles podem ser títulos do Tesouro ou alguns Certificados de Depósitos Bancários. Algumas corretoras também aceitam Letras de Crédito (LCI ou LCA) e Letras de Câmbio.

Além disso, existe a possibilidade de utilizar ações como margem de garantia. O mais importante é conhecer as normas da corretora que você utiliza para entender as particularidades dela.

O uso de ativos é mais comum do que dinheiro, já que eles continuam investidos – e até mesmo rendendo – enquanto são utilizados nas operações de especulação na renda variável. A garantia só será executada se o saldo da conta ficar zerado e for necessário pagar as perdas.

Se isso acontecer, o especulador precisa depositar recursos para quitar seu prejuízo. O depósito precisa respeitar as janelas de horários da bolsa brasileira B3. Em caso de dúvidas, vale a pena buscar informações sobre os horários junto ao seu assessor de investimentos.

Entretanto, é importante ressaltar que, se o dinheiro para cobrir a operação não estiver disponível em conta, a garantia será utilizada.

Em quais operações ela pode ser necessária?

Agora você já sabe o que é e como funciona a margem de garantia. Nem todas as movimentações feitas na bolsa de valores precisam utilizá-la. Investidores de longo prazo, por exemplo, realizam suas compras e vendas com o próprio capital.

Outras movimentações, como atividades de especulação com ações ou operações feitas no mercado futuro, podem fazer uso da margem de garantia para trazer mais liberdade por meio da alavancagem de recursos.

Conheça algumas das principais operações que contam com a margem de garantia.

Day trades 

Traders costumam utilizar bastante a margem de garantia como forma de operar alavancado. Como eles fazem movimentações de curto prazo visando obter lucro com as oscilações rápidas, utilizar valores maiores do que tem em caixa pode impulsionar os resultados.

Venda descoberta de ações

Outro caso comum de uso da margem de garantia é quando se realiza a venda descoberta de ações. Ela é uma estratégia para ter rendimentos em momentos de queda na bolsa, comprando ativos que estão se desvalorizando.

No caso, o especulador aluga ações, realiza a venda e depois compra novamente os papéis para devolver ao proprietário. Se o mercado se comportar em queda, como ele esperava, haverá lucro na diferença entre o valor de venda e de compra.

Mercado futuro

Por fim, operações no mercado futuro também são exemplos de uso da margem de garantia. Quem negocia contratos de índices, commodities e dólar pode se beneficiar de uma estratégia de alavancagem, sendo necessário apresentar as garantias.

Além disso, as operações a termo e determinadas operações estruturadas com opções são mais algumas situações nas quais a bolsa de valores precisa contar com garantias dadas pelo especulador.

Agora você sabe o que é a margem de garantia, como ela funciona e em quais contextos ela costuma ser utilizada. Lembre-se de que seu uso deve ser considerado com cuidado, já que os riscos das operações são altos.

E então, este post lhe trouxe informações úteis? Assine a newsletter do blog e acompanhe de perto nossos conteúdos!

A pontuação dos nossos leitores
[Total: 14 Média: 5]